O "baixo" da barca do inferno...

O "baixo" da barca do inferno

O "baixo" da barca do inferno...

— Ô da barca!!!

O anjo se voltou para a voz que lhe chamava, pouco antes de desancorar o barco com uma só alma.

            — Quem a mim chama? – Indagou.

Com uma mala cheia de dinheiro, o afoito homem de terno veio correndo ao seu encontro;

            — Quem és?

Ultrajado, o homem girou nos calcanhares e bradou com seu sotaque de jagunço, num atropelo da norma culta:

            — Eu députado!

            — Ok, devo já partir! Como lhe ajudar?

            — Pr’onde é que essa coisa vai? – Quis saber, um tanto surpreso pela aparente fragilidade da pequena e estreita barca de marfim.

            — Pra além-mar!

            O político meneou a cabeça, o outro só podia estar louco:

            — Escuta, ô portuga, se você quiser eu te coloco num esquema lucrativo. aqui com essa mala cheia de prop... projetchos e pensa bem, posso te emprestar uma graninha via BNDES, mas tem que reservar 30%, aumentar teu barco e...

            — Vou dispensar.

            — É, já vi que é bem bur... Bah, esquece. Diz ai, onde é que eu consigo encontrar a comitiva? Que diabos estou fazendo aqui?

            O anjo o olhou e não hesitou, apontou a fila gigantesca da embarcação metros à frente: um navio colossal cheio de figurões. O barulho era tão alto quanto o navio infernal.

            — Estão a te esperar.

            — Perfeito! – Exclamou e saiu sem agradecer.

            Naquele dia, João Larápio se dirigia à barca do inferno, seu corpo seria encontrado pela empregada, infartado diante da possibilidade de ser visitado pelo japonês da federal. Da mala não pôde levar um só real...