A Misteriosa Carta de Charlotte

A Misteriosa Carta de Charlotte

A Misteriosa Carta de Charlotte

Charlotte olhava intrigada para o envelope branco na sua mesinha de cabeceira. Acordou e ele estava ali a lhe encarar, com seu nome escrito bem grande, convidando-a a abri-lo. Ela não queria fazer isso. Estava aflita. Era a sua letra no envelope, entretanto, não se lembrava de ter escrito carta alguma para si mesma. Então, durante a manhã toda, ela não ousou abrir a carta!

Andava de um lado para o outro, imaginando como aquilo era possível. Era um mistério que a assustava, mas que também causava um pouco de adrenalina. Queria saber o que tinha lá dentro, sua curiosidade a compelia a abrir logo o maldito envelope, mas ela não sabia se deveria. Lembrava-se bem que não havia envelope algum ali quando se deitou para dormir, na noite passada. Além de impossível, aquilo era sinistro!

Nervosamente esfregava as mãos meio trêmulas, enquanto tentava tomar coragem para dar um fim a toda aquela história. Respirou fundo, já cansada daquilo e, num rompante, pegou o envelope e o abriu de uma vez!

Havia apenas uma frase:

“Feliz 67° aniversário!”

Charlotte sorriu, lembrando agora do ritual. Rapidamente pegou uma folha, escreveu “Feliz 68° aniversário!” e colocou em um envelope no qual escreveu seu nome bem grande.

Chamou a empregada.

- Aqui está a próxima, Regina. Não se esqueça, daqui a um ano, na minha mesinha de cabeceira!

- Pode deixar… Mas, dona Charlotte, por que a senhora faz isso todo ano?

- É que eu adoro um suspense, minha filha!