Ponto final

O café do fim

Ponto final

Ele me pede para que eu busque mais uma xícara de café para ele. “Isso não está no escopo do meu trabalho”, penso enquanto me levanto. Quando saio da sala, ouço meu chefe dando risada e se gabando de que eu pegaria mais uma xícara. Eles comentam o tamanho da minha saia e a forma das minhas pernas. Eu sou apenas uma estagiária. Quando volto, deixo a xícara cair no chão. O silêncio perpassa todos os espaços existentes naquela sala velha e fria. O único som é dos pedaços de porcelana que se espalham. O líquido marrom, agora liberto, esparrama-se sob o piso esbranquiçado. Olho para seus rostos embasbacados pela última vez, pego minha bolsa e me encaminho para a porta de saída.