Cultivar a terra.

Cultivar a terra.

Cultivar a terra.

- Isso aqui, filho, é importante: cuidar da terra. - Disse o homem, tocando no chão.

O menino frequentava a escola, o discurso lhe deixou dúvidas: - tá falando de terra ou do planeta Terra?

- Não sei dessas coisas de planeta. O que sei, é que você só colhe o que cultiva.

O jovem ficou envergonhado que a sabedoria do pai fosse tão curta. A frase era um clichê; a lição não era assim tão elaborada, ainda mais naqueles tempos em que o planeta sofria tanto.

Queria que o velho falasse sobre as atrocidades da humanidade, sobre lixo e tóxicos, sobre sustentabilidade, energia "limpa", aquecimento global. Sua mente curiosa ansiava por conhecimento técnico, palavras  bonitas.

O homem percebe a decepção nos olhos do filho. Fica triste, mas não demonstra.

Naquele mesmo dia, à noite, deitado junto à mãe (seu pai ainda trabalhava), Pedro comenta: 

- Mãe, por que meu pai não sabe quase nada?

- Seu pai não foi à escola. Mas não se  engane, é um dos homens mais sábios que conheço.

Durante a madrugada a mãe passou mal. O pai socorreu. Mesmo sem carro, chegaram rápido à casa do único médico da cidade; mesmo sem dinheiro, ela teve o melhor atendimento que poderia e os remédios necessários.

Por onde passavam, comentários de "é a esposa do Seu João" abriam as portas e facilitavam o processo.

Pensativo, Pedro corou. Não foram títulos ou diplomas que permitiram os cuidados de sua mãe, foi a velha sabedoria de um coração nobre, embora pobre, de um agricultor.