Papai Noel

Papai Noel

Papai Noel

Os pequenos pés de David balançavam ansiosamente debaixo do cobertor. Os dedos das mãos batucavam o edredom. Seus grandes olhos castanhos observavam as luzes que brilhavam do lado de fora da casa. Era véspera de Natal e ele estava ansioso pelo dia seguinte.

Enquanto prestava atenção nas luzes dos vizinhos, ouviu um barulho no andar de baixo.

“Papai Noel!”, ele pensou.

Pulou silenciosamente da cama e correu em direção a porta. Ficando nas pontas dos pés, tentou enxergar pela fechadura. Tudo escuro. Bufou e se pendurando na porta, puxou a maçaneta abrindo uma fresta. Espiou o corredor e vendo que ninguém tinha se levantado, correu em direção as escadas.

David sentou-se no último degrau e se pôs a descer sentado. Para ele, que tinha pernas curtas (no alto dos seus 4 anos!), era mais fácil não cair e não fazer barulho dessa maneira. Chegou ao último degrau e seu coração acelerou.

“Será que Papai Noel ainda estava lá?”

Viu uma sombra passar em frente a árvore de Natal e se agarrou ao corrimão. Era uma figura alta e larga. Era Papai Noel.

David correu, com seus pequenos pés descalços batendo no chão frio. Espiou dentro da sala de estar. E lá estava ele. Um senhor alto, largo e de cabelos brancos. Segurava um saco vermelho vazio nas mãos e colocava o último dos presentes debaixo da árvore.

O garotinho escondeu-se atrás do sofá, segurando firmemente o tecido, como se ele pudesse cair a qualquer momento.

Papai Noel levantou-se e olhou para seu trabalho, deu uma risadinha e se abaixou para pegar algo no chão. David segurou a respiração. Ele estava comendo os biscoitos e tomando o leite que o menino deixara para ele!

Satisfeito, o senhor se virou e o garoto arregalou os olhos. O senhor caminhou para a cozinha, depositou a louça na pia e voltou para sala, parando um segundo para observar a árvore decorada, com os presentes abaixo dela. Ele sorriu e, não percebendo o garoto escondido ali, subiu as escadas.

Certificando-se de que ninguém o estava vendo, David saiu detrás da poltrona e correu em direção à árvore. Olhou deslumbrado. Uma pilha enorme de presentes se encontrava em sua frente. O garotinho olhou para a escada e depois para a árvore novamente. E aí percebeu.

Seu avô era o Papai Noel.
E ele era o garotinho mais sortudo de todo mundo!