Chocolate

Chocolate

Chocolate

Sua infância tinha gosto de chocolate. A panela aquecida. Manteiga. Leite condensado. Chocolate em pó. Uma boa mexida com a colher de pau. Pronto. E um brigadeiro começava a borbulhar.

Creme de leite, um punhado de açúcar e chocolate derretido. Os três ingredientes se misturam e preenchem uma singela taça, que instantaneamente é colocada para gelar. Não demora muito para uma saborosa mousse nascer e deixar doce sua meninice.

Chocolate em barra numa panela. Fogo médio. O aconselhável é mexer até ficar com uma consistência cremosa. Um recipiente com uvas, morangos, bananas fatiadas e coloridos marshmallows. Palitinhos para espetar as frutas e afogá-las no chocolate. E o guri se delicia e se lambuza com essa brincadeira.

Os biscoitos não poderiam faltar. Farinha de trigo, fermento, ovos, açúcar. Em graciosos quadradinhos, chocolate ao leite. O início da vida é doce, tem aroma de cacau e, claro, pode também ser apetitosamente crocante, como um biscoito de chocolate.

Sua infância, sim, tinha gosto de chocolate.

...

Aos domingos, o menino ia à missa com a família. Era coroinha de uma igreja. Antes da celebração, o padre e o guri ficavam a sós, com a porta da sacristia fechada. Os pais não sabiam o que acontecia. A criança guardava para si as obscenidades às quais estava sujeita há algum tempo. Tinha medo, receio, vergonha.

Nos dolorosos instantes em que eram apenas o menino e o religioso em um dos recintos da casa de Deus, sua infância tinha gosto de chocolate...amargo.